Fim do mund0? Mar se transforma em ‘sangue’ e assusta moradores

Matérias Oficiais(+10% Clicks) - Beatriz 01/06/2021 Relatar Quero comentar
 
Olá pessoal! 

Siga para saber todas as notícias e muito mais em primeira mão! Se gostou das notícias, não esquece de compartilhar com seu amigos.

A curiosidade faz parte do instinto humano, pois faz com que um ser explore o universo ao seu redor compilando novas informações as que já possui.... 

Em particular, muitos observadores pensam que a curiosidade é um tipo especial da categoria mais ampla: busca de informação.

Para esses autores, a curiosidade científica representa uma disposição para aprender, uma busca pelo conhecimento, um questionamento que procura explicações para a especificidade do objeto a ser conhecido e não para as suas generalidades.

O mar é um dos lugares que traz mais paz para as pessoas, afinal quem não gostaria de ficar horas e horas em uma cadeira de praia olhando para aquela imensidão azul que traz sensação de paz e tranquilidade?

Porém, algumas vezes o mar pode assustar por conta de sua tonalidade que pode mudar bruscamente do dia para a noite.

Foi o que aconteceu no litoral da cidade de Akatu, que faz divisa com o mar Cáspio e que fica no Cazaquistão. Do nada o mar se transformou em ‘sangue’ e ficou vermelho em meio a uma camada de neve, assustando ainda mais os moradores locais.

As fotos foram compartilhadas nas redes sociais levantando dúvidas e med0s nos internautas, mas tudo pode ser explicado pela ciência.

A razão desse fenômeno sobrenatural nada mais é do que a concentração massiva de algas diatomáceas, que vivem em oceanos de águas geladas.

Quando elas se concentram em massa, elas ficam vermelhas, o que pode dar a aparência de um cenário apocalíptico.

A situação é tão normal que o Departamento de Ecologia de Mangistau falou que essa tonalidade avermelhada desse oceano é um fenômeno natural e muito comum.

Segundo o jornal Daily Star, essa ação das algas não está ameaçando em nada a vida de pessoas, muito menos de peixes que possam entrar em contato com elas.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário
Você pode gostar