Corpo de vítima da Covid-19 é retirado pela janela de apartamento com ajuda de caminhão-guincho; cena impacta

Matérias Oficiais(+10% Clicks) - Beatriz 28/05/2021 Relatar Quero comentar
 
Olá pessoal! 

Siga para saber todas as notícias e muito mais em primeira mão! Se gostou das notícias, não esquece de compartilhar com seu amigos.

A COVID-19 afeta cada pessoa de formas diferentes. A maioria das pessoas infetadas desenvolve a doença com sintomas ligeiros a moderados e recupera sem necessidade de hospitalização.

Qualquer pessoa pode ser infetada ao inspirar o vírus se estiver a uma grande proximidade de alguém com COVID-19 ou tocar numa superfície contaminada e, em seguida, nos olhos, no nariz ou na boca.

E um caso inusitado envolvendo a covid-19 e um homem acabou ocorrendo no Brasil. É bem ‘normal’ os caixões de pessoas vítimas da covid serem lacrados, a fim de não oferecer riscos para ninguém.

Entretanto, eles vão para o cemitério de maneira ‘normal’, em um carro fúnebre qualquer. Contudo, este homem, após o seu óbito passou por maus momentos até conseguir ser enterrado.

Trata-se de um homem que constatou-se que tinha contraído o vírus há alguns dias. Desde então o mesmo estava em sua residência, contudo, ele teve uma parada cardiorrespiratória e acabou entrando em óbito.

Até aí tudo ‘normal’. Entretanto, o que ninguém esperava era que o falecido pesava quase 200kg, mais precisamente, 175kg.

Por conta do seu peso, o corpo dele não dava para passar pela porta do apartamento, pois a porta era muito pequena.

Então, profissionais da saúde precisaram bolar alguma ideia para tirar o corpo dele dali, já que não podia ficar. Deste modo, precisaram chamar um guincho para levá-lo até o cemitério.

Mas nem mesmo só a presença do guincho foi suficiente. Fez-se necessário cortar as grades da janela para que o caixão pudesse passar tranquilamente.

Após o caixão passar, ele foi colocado em um caminhão e encaminhado diretamente ao cemitério para que pudesse ocorrer o sepultamento. De fato, um caso inusitado que só ocorre no Brasil.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário
Você pode gostar