Homem descobre que passou 5 meses com vidro no pé após acidente doméstico: “não sentindo dores”

Matérias Oficiais(+10% Clicks) - Beatriz 20/08/2021 Relatar Quero comentar
 
Olá pessoal! 

Siga para saber todas as notícias e muito mais em primeira mão! Se gostou das notícias, não esquece de compartilhar com seu amigos.

A dor motiva o indivíduo a se retirar de situações prejudiciais, a proteger uma parte do corpo danificada enquanto cura e a evitar experiências semelhantes no futuro.

A maioria dos casos de dor se resolve uma vez que o estímulo nocivo é removido e o corpo curado, mas pode persistir apesar da remoção do estímulo e cicatrização aparente do corpo. 

Às vezes, a dor surge na ausência de qualquer estímulo, dano ou doença detectável.

Tudo começou quando Marcos tentou instalar uma prateleira na cozinha. Depois de um pequeno acidente, ele acabou pisando sobre cacos de vidro. 

Naquele momento, a família não se deu conta, mas um pequeno pedaço havia se alojado na base do pé dele.

O artefato não passou despercebido por falta de sinais, mas por falta de atendimento médico. A esposa do ajudante geral é quem denuncia o descaso no atendimento. 

Na UPA, Marcos teve o machucado esterilizado e recebeu pontos, mas não fez nenhum exame.

Ana Ayres Silva, esposa de Marcos, conta que o marido chegou a questionar se poderia fazer um raio-x do calcanhar, mas o pedido foi negado pelos médicos da UPA. 

Marcos passou cerca de 5 meses sentindo dores e mancando bastante.

O casal chegou a procurar atendimento médico mais uma vez e fez um raio-x, mas a médica afirmou que o “corpo estranho” era um osso calcificado e não investigou mais. 

Mais de cinco meses depois do acidente, finalmente, Marcos teve o vidro removido.

O procedimento para remoção do caco de vidro ainda teve outros imprevistos e o casal ainda precisou esperar mais dias, mas finalmente teve fim o pesadelo. Prefeitura, UPA e hospital emitiram nota se defendendo.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário
Você pode gostar