Moradores enfrentam fila para poder receber doação de ossos em açougue

Matérias Oficiais(+10% Clicks) - Beatriz 18/07/2021 Relatar Quero comentar
 
Olá pessoal! 

Siga para saber todas as notícias e muito mais em primeira mão! Se gostou das notícias, não esquece de compartilhar com seu amigos.

Triste época! É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito.  A vida é apenas uma visão momentânea das maravilhas deste assombroso universo, e é triste que tantos se desgastem sonhando com fantasias espirituais.

Algumas delas se tornam objeto de zombaria, as plásticas dão errado, mas somente os outros veem isso. Muitos dos pobres ricos não tem paz alguma, acorda implorando aprovação dos outros...

Moradores do bairro CPA 2 formaram uma fila enorme em um açougue na cidade de Cuiabá para pegar ossos que foram doados pelo estabelecimento durante a semana.

Dezenas de famílias que estavam no lugar relataram que estão passando por dificuldades financeiras. Brazilina Paulo, dona de casa, esteve no local juntamente com a filha e a prima.

De acordo com ela, a família tem passado por situações difíceis em virtude da baixa financeira e infelizmente não é sempre que tem condições de ter carne durante as refeições.

Miniane Regina, catadora, também foi em busca da doação. A mulher que trabalha com reciclagem contou que o dinheiro ganho pela família no final do mês não tem sido suficiente para manter as necessidades básicas.

Por isso, resolveu enfrentar a fila para poder receber o alimento.

Infelizmente, a crise econômica tem atingido em cheio a população mais pobre. Muitas das pessoas que estavam no local para receber a doação contaram ser por necessidade. Alguns têm se sustentado apenas com o auxílio do governo federal.

Segundo Silvana Maria Bitencourt, doutora em sociologia política, não é de hoje que a desigualdade social assombra a população brasileira.

A estudiosa ressaltou que cada região do país acaba tendo uma realidade diferente.

A especialista ainda faz questão de ressaltar que as correntes de solidariedade são muito importantes, porém não é algo que vai resolver o problema que precisa de intervenção de políticas públicas.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário
Você pode gostar